60 anos do golpe, legados da ditadura e o desafio de confrontar o passado

/ Editor: José Alfredo | Agência Rede PT Ribeirão
Receba nossas notícias pelo Telegram

Arte: Agência PT

60 anos do golpe, legados da ditadura e o desafio de confrontar o passado

Num momento de reflexão profunda, o Brasil enfrenta os fantasmas de seu passado autoritário, buscando justiça e verdade.

À medida que o Brasil se aproxima do 60º aniversário do golpe de Estado de 1964, a nação se encontra diante de uma reflexão profunda sobre os legados persistentes da ditadura militar e a necessidade de um acerto de contas com seu passado autoritário. A transição para a Nova República na década de 90, embora marcada por esperanças de renovação democrática, não se traduziu em uma revisão profunda dos traços autoritários incrustados na sociedade brasileira — legados que continuamos a carregar até hoje.


A recusa da sociedade e dos governos em confrontar esses fantasmas do passado é evidenciada nas palavras recentes do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que, ao ser questionado sobre o cancelamento da cerimônia de aniversário do golpe, sinalizou a importância de tocar a história para frente sem remoer sempre o passado. Essa postura, embora voltada para a progressão, suscita debates sobre a importância de trabalhar a memória da ditadura como um elemento crucial para a construção de uma sociedade verdadeiramente democrática.


Caio Guatelli

Leopoldo Paulino, vítima de prisão e tortura durante o regime militar, destaca a falha em não abordar a memória da ditadura. A ausência de um julgamento e análise crítica do período militar é comparada negativamente com a abordagem adotada pela Alemanha em relação ao Holocausto, onde esforços monumentais são feitos para lembrar e julgar os atos do passado.

Além do impacto na memória coletiva e na justiça social, o legado da ditadura se estende à estrutura do Estado brasileiro, com traços autoritários permeando várias instituições, incluindo a autonomia e a ideologia das Forças Armadas, que operam como um Estado dentro do Estado. Esforços para revisar essa estrutura foram apenas timidamente iniciados durante o governo de Dilma Rousseff, principalmente por meio da criação da Comissão Nacional da Verdade (CNV), mas enfrentaram limitações significativas.


As consequências desse legado autoritário não se limitam à política e à memória. Elas afetam diretamente a segurança pública, com práticas de violência institucional e repressão ainda prevalecendo, e a economia, perpetuando desigualdades sociais e regionais acentuadas pela ditadura em favor do avanço do capitalismo brasileiro.


A recusa em confrontar plenamente o passado contribui para a persistência de uma democracia de baixa intensidade, caracterizada pela limitada participação social e pela contínua ameaça de soluções autoritárias. A recente articulação da extrema direita dentro dos quartéis, ganhando terreno principalmente a partir da ditadura, aponta para a necessidade urgente de uma revisão crítica do período militar e de seus efeitos duradouros sobre a sociedade brasileira.


Neste contexto de reflexão sobre os 60 anos do golpe, o Partido dos Trabalhadores reafirma seu compromisso com a defesa da democracia, destacando avanços recentes nas investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco como um marco na luta contra a violência política e de gênero. A federalização das investigações e a prisão dos suspeitos representam passos significativos no caminho para a justiça e a memória.


O PT também ressalta a importância de enfrentar os desafios deixados pela ditadura, incluindo a luta pela justiça social, a garantia de direitos e a participação popular, alinhando-se com a visão do presidente Lula de um Brasil mais inclusivo e democrático. Enquanto a nação se prepara para lembrar os 60 anos do golpe, a mensagem é clara somente enfrentando nosso passado poderemos garantir um futuro de verdadeira democracia e justiça para todos.


Evento 60 Anos do Golpe Militar no Brasil Ditadura Nunca Mais



Data 1º de abril de 2024
Horário 18h30
Local Cine Cauim, Rua Olavo Bilac, 135 – Vila Seixas, Ribeirão Preto - SP


Descrição

À medida que marcamos os 60 anos do golpe militar no Brasil, convidamos a comunidade para participar do evento "60 Anos do Golpe Militar no Brasil Ditadura Nunca Mais”. Este encontro visa não apenas relembrar um dos períodos mais sombrios da história brasileira, mas também celebrar a resiliência dos que lutaram pela liberdade e pela justiça. Junte-se a nós para uma série de palestras, mesas redondas e apresentações culturais que honram a memória dos que resistiram à ditadura e destacam a importância da democracia hoje.


Programação

- 18h30 Abertura Exibição do curta “Mil Novecentos e Sessenta e Vinte”  
- 19h Apresentação Cultural Musical Tempo de Resistência
- 19h30 Debate com militantes da época e de todos os tempos.
 - Encerramento Cerimônia de homenagem aos que lutaram contra a ditadura, com leitura de nomes e momento de silêncio.

Organização Este evento é uma iniciativa do PT, PSOL, REDE, PV, PCB, PCdoB, UP, CUT, APEOESP, Movimento de Moradia, Instituto Madre Maurina, Coletivo Tempo de Resistência. Apoio Cine Cauim.


Confirme sua participação aqui:

---
SeCom - Secretaria de Comunicação do PT de Ribeirão Preto Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto

Comentários