CAMPANHA PUBLICITÁRIA PROVOCA REAÇÕES HOMOFÓBICAS

/ Editor: José Alfredo | Agência Rede PT Ribeirão
Receba nossas notícias pelo Telegram
CAMPANHA PUBLICITÁRIA PROVOCA REAÇÕES HOMOFÓBICAS

Comercial de "O Boticário" com casais homossexuais será julgado pelo Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) por acusações de "desrespeito à sociedade e à família"

Uma simples campanha publicitária de trinta segundos da marca de perfumes “O Boticário” tem causado tamanha polêmica que o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) anunciou, na terça-feira (2), que vai abri um processo para julgar a peça. A justificativa seriam as mais de 20 reclamações recebidas pelo órgão nos últimos dias.

O referido comercial mostra casais heterossexuais e homossexuais demonstrando afeto e carinho ao trocar presentes em comemoração pelo Dia dos Namorados.

Segundo o Conar, as reclamações afirmam que a peça é um desrespeito à sociedade e à família. A página da empresa no Facebook recebeu todo tipo de manifestação, de mensagens de apoio a repúdio, com agressividade contra os criadores da campanha e a empresa.

Até a tarde desta quarta-feira (3), 293.593 pessoas tinham aprovado a campanha no Youtube, número maior que o de pessoas que a condenam, 171.529.

Para a deputada federal e membro da Comissão dos Direitos Humanos e Minorias da Câmara (CDHM), Erika Kokay (PT-DF), é preciso desconstruir o ódio diante de expressões de afeto, carinho e amor. “Toda expressão de amor e de carinho deve ser homenageada e brindada em nossa sociedade”, ressalta.

A deputada lamenta que o parlamento brasileiro seja o primeiro a promover o preconceito e a intolerância, com a apresentações de propostas que, segundo ela, “são escárnios contra tudo o que já foi construído de direitos sociais”.

Kokay se refere a projetos como o PL 6583/13, o qual limita a definição de família como organização social formada pela união de homem, uma mulher e seus filhos; ou o Projeto de Decreto Legislativo 234/11, do deputado João Campos (PSDB-GO), que propunha a “cura gay”; ou ainda a tentativa de criação do Dia do Orgulho Hétero. “Como se alguém neste país heteronormativo fosse discriminado por ser heterossexual”, repudia.

“Propostas referendadas e encaminhadas pelo presidente desta casa. São todas tentativas de conter a evolução da história dos direitos. O fundamentalismo que existe hoje na Câmara alimenta reações de ódio”, ressalta.

De acordo com a petista, de alguma forma a sociedade vai se expressar, senão pelo poder Legislativo, será por outros instrumentos do Estado, porque está de acordo com o que é fundamental para construção de uma sociedade harmoniosa, igualitária e de cultura da paz.

Segundo a representante da Coordenação de Diversidade da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, Janaína Barbosa de Oliveira, o Brasil vive, por parte de alguns segmentos sociais, um processo de “ditadura fundamentalista e conservadora”, que fomenta o preconceito contra o segmento LGBT.

“É um público que diz no seu dia a dia pregar o amor ao próximo, mas sua prática é de estímulo ao preconceito e de violência. Porque, quando você diz que as relações homoafetivas são relações do demônio, estimula-se ódio contra a população trans”, avalia.

Janaína Oliveira ressalta o crescimento de um movimento de intolerância às diferenças, promovido, principalmente, por “figuras como (Silas) Malafaia e companhia”. Segundo ela, o conservadorismo do Congresso contrasta com os avanços promovidos, tanto pelo Executivo quanto pelo Judiciário.

“Hoje há políticas públicas que permitem as pessoas denunciarem a discriminação e a violência, como o Disque 100, o Humaniza Redes, o Sistema Nacional LGBT, comitês de saúde integral para a população LGBT. Também o MEC tem realizado programas de inclusão por meio do debate e orientação e a prefeitura de São Paulo tem casa de acolhimento e bolsa de estudos para trans que queiram estudar e sair da prostituição”, enumera.

De acordo com o diretor do grupo Estruturação LGBT de Brasília, Michel Platini, alguns fundamentalistas se prendem a questões pequenas, enquanto “tanta gente no mundo morre de fome ou guerra”.

Para Platini, a campanha de “O Boticário” é o retrato da sociedade. “Os casais homoafetivos comemoram o Dia dos Namorados, compram presentes. Os fundamentalistas tentam negar isso porque eles não querem perder um poder perpetuado nas mãos deles durante muito tempo. O mundo em que eles vivem não é o real”, contesta.

---
Guilherme Ferreira - da Agência PT de Notícias Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto

Comentários

Ainda não há comentários nesta notícia. Seja o primeiro!