Diversidade Sexual: Ribeirão Preto Sem Homofobia

/ Editor: José Alfredo | Agência Rede PT Ribeirão
Receba nossas notícias pelo Telegram

Rede Social

Diversidade Sexual: Ribeirão Preto Sem Homofobia

"...vou garantir uma cidade em que todas, todxs e todos podem exercer livremente sua sexualidade, sem ter sua vida, saúde, segurança e bem-estar ameaçados."

Gênero e sexualidade são questões políticas e fruto de constante disputa na sociedade capitalista. Mas, enquanto o conflito entre trabalho e capital é amplamente discutido, conflitos em torno da sexualidade e performance de gênero tendem a ser camuflados, como algo desvencilhado do público.




A lógica liberal articula-se à suposta neutralidade do poder público, que, por sua vez, responde a uma cultura homogênea inexistente. A intolerância e o preconceito contra a população LGBTQIA+ se fazem marcadamente presentes na cidade de Ribeirão Preto, onde a discriminação se materializa pela não aceitação da orientação sexual no âmbito da própria família, tratamento médico inadequado, agressões que resultam no abandono escolar, dificuldade de encontrar trabalho, assédio moral nos locais de trabalho, olhares e provocações nas ruas, e, não raro, na violência física, nos homicídios motivados pela LGBTfobia e na violência de agentes do próprio Estado.


Uma política de direitos para LGBTQIA+ (Lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais, Queer, Intersex e Assexual) reconhece que as diferenças culturais na sociedade privada devem estar contempladas no âmbito público, inclusive no que diz respeito à igualdade material e de oportunidades. As ideologias que geram discriminação e preconceito sobre as orientações sexuais e performances de gênero estão vinculadas ao mecanismo geral de exploração da classe trabalhadora. Portanto, uma política LGBTQIA+ popular age diretamente na melhoria da qualidade de vida de toda a população.


A vulnerabilidade social a que é submetido um grande contingente desta população exige uma intervenção sistemática do poder público, pois, sem proteção especial, esse grupo populacional fica totalmente à mercê da discriminação e da violência homofóbica, desprovido dos direitos mais elementares da cidadania. 


PROPOSTAS

1. Respeitar, reconhecer, investir e promover a participação democrática na elaboração de políticas públicas como compromisso do Partido dos Trabalhadores com a cidadania LGBTQIA+

2. Criar o Programa Cidadania LGBTQIA+, oferecendo acolhimento direcionado para pessoas LGBTQIA+ expulsas (os) de casa e/ou em situação de rua. Desenvolver ações de empregabilidade sem homofobia, núcleos escolares antibullying na rede pública, políticas de saúde mental especificas para a população LGBTQIA+, uma cultura de paz e sem discriminação. Enfim, uma verdadeira Rede de Proteção Social.

3. Instituir a Rede de Enfrentamento à Violência contra LGBTQIA+, articulando órgãos federais, estaduais e municipais para que implementem políticas de combate à discriminação em função da orientação sexual e identidade de gênero, com a ampliação, detalhamento e análise do mapeamento de ocorrências homofobias no âmbito do município, garantindo pesquisa e observatório com mapeamento sobre a homofobia e outras questões ligadas ao tema, bem como a criação de um mecanismo análogo ao “Disque 100”, em âmbito municipal, para segurança LGBTQIA+.

4. Implementar o Centro de Cidadania LGBTQIA+, de modo articulado com outros serviços de combate à desigualdade, para atendimento dos LGBTQIA+ socialmente vulneráveis e vítimas de discriminação, contando com:

I. advogados para tratar de situações de discriminação e violação de direitos;

II. psicólogos para atendimento das vítimas de preconceito;

III. assistentes sociais que orientem e encaminhem LGBTQIA+ em situação de vulnerabilidade social aos serviços de atenção e proteção;

5. Incentivar o uso de equipamentos de cultura para a produção da comunidade LGBTQIA+.

6. Elaborar e aperfeiçoar cartilhas de prevenção ao HIV/AIDS e Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), juntamente com a ampliação logística de distribuição do material.

7. Realizar campanhas de sensibilização sobre a temática das ISTs nas escolas, equipamentos culturais, eventos e com unidades moveis nas áreas com maior vulnerabilidade.


---
SeCom - Secretaria de Comunicação do PT de Ribeirão Preto Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto

Comentários

Ainda não há comentários nesta notícia. Seja o primeiro!