A secretária da Cultura de Ribeirão Preto planeja passar a boiada

/ Editor: José Alfredo | Agência Rede PT Ribeirão
Receba nossas notícias pelo Telegram

Foto: ACidadeOn

A secretária da Cultura de Ribeirão Preto planeja passar a boiada

”De minha parte, Isabella, quero dizer que vou ser seu pesadelo, até que você se convença de que gerir a cultura de uma cidade do porte de Ribeirão Preto é algo muito mais importante do que garantir a própria subsistência”, diz Márcio Coelho, secretário de Cultura do PT

Isabella Pessotti, secretária da cultura do Nogueira, não pode reclamar da benevolência da classe artística. Eu sou prova viva de como os produtores de cultura da cidade foram complacentes como a “desadministração” da cultura, nos últimos três anos e meio, e de como muitos torceram para que sua passagem pela SMC fosse exitosa.


Mas, parece que a bailarina, que vive se equilibrando entre uma postura progressista e a subserviência à tucanada neoliberal, preferiu garantir sua fonte de renda a construir políticas públicas para o município de Ribeirão Preto, ora criticando nominalmente o prefeito, ora sendo vetor do desmonte da Secretaria Municipal da Cultura.


É sabido que o projeto do PSDB para a cultura de Ribeirão Preto era, desde o início, transformar a Secretaria da Cultura em departamento e alocá-la na irmã rica das secretarias: a Secretaria da Educação. No entanto, faltou coragem para levar a cabo tal desígnio.

 

Todavia, Isabella, cumprindo a função de vetor da maldade neoliberal, no apagar das luzes da administração tucana - quiçá para sempre -, planeja a mudança da sede administrativa da sua pasta para o Centro Cultural Palace, sem que haja alguma justificativa plausível para tal mudança, nem consulta ao Conselho Municipal de Políticas Culturais, muito menos à comunidade cultural.


Embora, até o momento em que escrevo essa matéria, a secretária não tenha me retornado, confirmando ou negando tal intenção, fontes fidedignas nos informaram que não só existe a intenção de fazê-lo, como tal procedimento já está em curso, “só não realizaram a mudança, já nesta semana, porque a van da secretaria está com defeito”, afirmou minha fonte. 


Segundo outra fonte, a secretária chegou afirmar que iria “aproveitar que todo mundo está preocupado coma Lei Aldir Blanc para fazer a injustificada mudança”, ou seja, aproveitar, como Ricardo Salles, para “passar a boiada”. Ela só se esqueceu de que a comunidade cultural não é formada por reses.


A Casa da Cultura, espaço cultural e sede administrativa da SMC, está abandonada. Funcionários me relataram que se sentem tristes ao entrar naquele espaço, que, desde 1993, quando eu e outros companheiros abrimos, literalmente, suas portas para o público - que até então era obrigado a entrar pela entrada de serviço, não sem antes ser anunciado pela telefonista, que acumulava a função de porteira - passou cumprir sua função precípua, a saber, a de ser um espaço de manifestação e convivência cultural, coisa que antes não acontecia.


 A Escola de Arte do Museu, que funciona nos fundos do prédio, está praticamente sem professores e não há no horizonte dessa administração a possibilidade de abertura de concursos para suprir tal falta.


O Teatro de Arena, depois de passar por uma pequena reforma, feita pela administração anterior, teve suas dependências vandalizadas e até seu elevador roubado.


Diante desse quadro catastrófico, acreditamos que a única justificativa para a mudança da sede administrativa é afastar os olhos da secretária - e do povo - daquilo que ela ajudou a destruir. Algo como quando um adolescente fecha a porta do seu quarto e recebe seus amigos na sala para que eles não vejam a bagunça.


De minha parte, Isabella, quero dizer que vou ser seu pesadelo, até que você se convença de que gerir a cultura de uma cidade do porte de Ribeirão Preto é algo muito mais importante do que garantir a própria subsistência; até que você, por vontade própria ou pressão popular, desista de virar as costas e abandonar a Casa da Cultura Juscelino Kubitschek, que, como o próprio site da SMC informa, foi pensada como um “espaço multiuso para realização simultânea de várias atividades”. 


---
Márcio Coelho, secretário de Cultura do PT de Ribeirão Preto Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto

Comentários (1)

Rogério Galvão

Márcio infelizmente, chegou neste ponto, porque nós últimos 15 anos só foi por interesse lá, panelas e panelas. Mas tem um agravante sempre foi o desenteresse e é a classe desorganizada.
Soma tudo é o resultado disso.