Projetos e programas

Saúde da família

Saúde da família

O Programa Saúde da Família (PSF) foi implantado pelo Ministério da Saúde e é conhecido atualmente como Estratégia de Saúde da Família (ESF) porque ele é mais abrangente que um simples programa. A família é o objeto de atenção, no ambiente em que vive, permitindo uma compreensão ampliada do processo saúde/doença. O programa inclui ações de promoção da saúde, prevenção, recuperação, reabilitação de doenças e agravos mais frequentes.

O embrião do PSF no Brasil começou com projetos de saúde comunitária na década de 1970, com experiências nas décadas seguintes, consolidando-se como estratégia prioritária para reorganização da atenção básica em 2006. Essa Estratégia Saúde da Família, reorganiza a atenção básica no País, de acordo com os preceitos do Sistema Único de Saúde (SUS), visando expansão, qualificação e consolidação da atenção básica por favorecer uma reorientação do processo de trabalho com maior potencial de aprofundar os princípios, diretrizes e fundamentos, e de ampliar a resolutividade e impacto na situação de saúde das pessoas e coletividades, além de propiciar uma importante relação custo-efetividade.

Uma equipe multiprofissional do programa é composta por, no mínimo, médico generalista ou especialista em Saúde da Família ou médico de Família e Comunidade, enfermeiro generalista ou especialista em Saúde da Família, auxiliar ou técnico de enfermagem, e agentes comunitários de saúde. Ainda podem ser acrescentados os profissionais de saúde bucal: cirurgião-dentista generalista ou especialista em Saúde da Família e auxiliar e/ou técnico em saúde bucal.

Cada equipe de Saúde da Família deve ser responsável por, no máximo, 4.000 pessoas, sendo a média recomendada de 3.000 pessoas, respeitando critérios de equidade para essa definição. Existem também equipes de Saúde da Família Ribeirinhas e Fluviais que atuam em áreas específicas.