Jorge Marcos assume o Setorial Jurídico

/ Por Agência Rede PT Ribeirão

Foto e vídeo: Open Produções

Jorge Marcos assume o Setorial Jurídico

Jorge Marcos Souza luta por um país onde o governo proporcione oportunidades iguais de ensino e saúde a todas as pessoas, sem distinção. “O ensino precisa ser público e garantir o acesso à escola, para que o pobre tenha as mesmas oportunidades que os ricos”, raciocina

O advogado Jorge Marcos Souza, duas vezes presidente da Ordem dos Advogados de Ribeirão Preto (OAB-RP), assume a coordenação do Setorial Jurídico do Partido dos Trabalhadores de Ribeirão Preto. Também a advogada Dagmar Papa, fará parte da coordenação como assistente.

 

Quem é Jorge Marcos

Jorge Marcos Souza é formado em direito desde 1978 pela Unaerp, mas passou a atuar politicamente na adolescência, logo aos 17 anos. Tomou parte do Comitê pela Anistia e participou do Movimento contra a Carestia, isto em 1970, um ano após a decretação do AI-5. Junto com mais quatro amigos aventuraram-se e imprimiram um jornal contra a ditadura militar. Não passaram da primeira edição, com direito de serem chamados à delegacia de Polícia para prestar esclarecimentos.

 

A militância de esquerda começou pelo MR-8, uma organização política que combatia a presença dos militares no poder e as suas consequências nefastas aos direitos de expressão e políticos. Logo em seguida, Jorge Marcos Souza ingressou no Partido Comunista Brasileiro (PCB). Sua atuação sindical esteve quase sempre voltada aos trabalhadores rurais, embora também tenha participado de sindicatos diversos, como dos radialistas, enfermeiros e, por fim, o dos metalúrgicos.

 

“Estávamos em 20 cidades diferentes naquela época e posso afirmar que participei de todas as greves deflagradas pela categoria, de 1978 a 1984”, relembra.

 

O jovem e destemido advogado atuando em defesa dos trabalhadores

 

Mas foi entre os trabalhadores rurais que sua vida profissional e política ganhou intensidade, dada às condições precárias de trabalho dos camponeses e da falta de fiscalização trabalhistas e dos abusos cometidos contra quem sofria para retirar da terra o sustento de suas famílias. Um trabalho análogo ao da escravidão. Foi ele quem fundou o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Serrana, nos idos de 1984. As greves eram constantes, como as de Pontal, Serrana, Guará, São Joaquim da Barra e Guariba.

 

Em São Joaquim ocorreu um fato inusitado e que marcou sua vida e carreira. Ao final de uma paralisação, ao lado do ex-prefeito e ex-deputado estadual por Sertãozinho, Waldir Trigo, ambos tiveram suas mãos beijadas por centenas de trabalhadores rurais, que formavam filas para reverenciá-los pelas conquistas. “Me senti constrangido, pois estava ali para fazer o que precisava ser feito, não por vaidade, mas foi a forma que eles encontraram de agradecer”, diz.

 

Em 1986, em uma dobradinha com o ex-deputado e jornalista Luciano Lepera (o deputado dos grevistas), cassado pela ditadura militar, Jorge Marcos arriscou a postular uma vaga à Câmara Federal. Lepera iria tentar o retorno à Assembleia Legislativa. Não conseguiram. Mesmo assim valeu pela experiência. “Não havia dinheiro para fazer campanha e eu que não iria pedir ajuda. Fomos com a cara, coragem... e propostas”, explica.

 

Mais tarde deixou o PCB para ingressar no Partido dos Trabalhadores - “Sempre estive no PT nos momentos difíceis, quando a agremiação estava por baixo”, sem tirar nenhum tipo de proveito, mesmo quando a agremiação governava a cidade -, recorda.

 

AARP e OAB

Em 2001, tornou-se presidente da Associação dos advogados. Em 2003 elegeu-se presidente da OAB-RP para o seu primeiro mandato, de três anos. Foi reeleito em 2006 e permaneceu no cargo até 2009. “A principal causa nesses seis anos, em dois mandatos consecutivos, foi a defesa dos direitos humanos. Outro trabalho que considero fundamental foi levar a Justiça Trabalhista para a região do Fórum Estadual e ajudar a formar ali a Cidade Judiciária, que reúne as justiças Federal, Estadual e Trabalhista, o que veio facilitar a vida da população e a dos advogados, pois tudo ficou reunido em um só lugar”, diz ele, sem se esquecer que a prefeitura cedeu o terreno e a Caixa Econômica Federal (CEF) concedeu os empréstimos para as obras.

 

Rede Solidária

O Setorial Jurídico coordenará, juntamente com o colegiado das Secretarias Setoriais A Rede Democrática de Proteção Solidária "Você Não Está Só", que oferecerá suporte jurídico e social às vítimas de violência do governo Bolsonaro.

 

Serão cadastrados advogados que atuem pro bono na defesa de pessoas em situação de risco. Os advogados cadastrados serão divididos conforme as áreas de atuação, facilitando e agilizando a defesa.

 

As vítimas de violência podem realizar denúncias por meio do telefone (16) 3635-5113. A Rede se propõe a fazer o devido encaminhamento jurídico para que as medidas cabíveis sejam tomadas. Além disso, serão realizadas campanhas informativas para auxiliar as pessoas que buscam atendimento em seus bairros.

 

A escolha do nome “Você Não Está Só” foi baseada no discurso do ex-candidato à Presidência da República, Fernando Haddad (PT), ao final do segundo turno.

 

A iniciativa foi aprovada pela Executiva Nacional do PT por unanimidade durante a reunião do Diretório Nacional do Partido, em 30 de novembro de 2018, e, encampada pelo Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores de Ribeirão Preto.

 

A Rede é composta por profissionais do direito, assistentes sociais, psicólogos, profissionais da área da saúde, ativistas de direitos humanos e voluntários.

 

Advogadas e advogados pela democracia

O Setorial Jurídico buscará esforços para viabilizar parceria com o coletivo de advogadas e advogados pela democracia.

 

Agenda

As reuniões ordinárias do Setorial serão realizadas nas primeiras segundas-feiras de cada mês (em conjunto com o Diretório), às 19 horas, na sede do Diretório Municipal.

---
Rede PT
Receba nossas notícias pelo Telegram Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto

Comentários

Ainda não há comentários nesta notícia. Seja o primeiro!