Ministro do Planejamento diz estar confiante na queda da inflação

/ Por Agência Rede PT Ribeirão

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Ministro do Planejamento diz estar confiante na queda da inflação

Para 2017, o mercado já prevê uma inflação de 4,75% ao ano

Em entrevista ao Jornal “O Globo”, publicada neste domingo (28), o ministro do Planejamento Nelson Barbosa disse que o governo está trabalhando para sair do déficit primário de 0,6% do PIB em 2014 para superávit de 2% em 2016. Além disso, ele reafirmou que o compromisso do governo é diminuir a meta da inflação. Segundo o ministro, o mercado prevê uma inflação de 4,75% em 2017.

“Estamos numa fase de transição, de construção das bases para um novo ciclo de expansão e isso inclui a adoção de algumas medidas que, apesar de impacto restritivo a curto prazo, são indispensáveis para viabilizar a recuperação do crescimento”, explicou Barbosa.

O ministro afirmou que o Ministério da Fazenda busca sempre novas medidas para reforçar o caixa e exemplo disso são as novas condições do Fundo de Incentivo ao Ensino Superior, o Fies.

Ele ressaltou que a retração econômica vem desde o segundo semestre de 2014 e teve esse impacto por conta da depreciação cambial e dos efeitos climáticos sobre o preço da energia. Porém, segundo o ministro, o realinhamento de preços tem primeiro um impacto restritivo e inflacionário, mas gera novas oportunidades de investimentos.

Nelson Barbosa comentou que é necessário paciência para as medidas do ajuste fiscal começarem a funcionar e que as expectativas de mercado indicam que no ano que vem a inflação irá diminuir.

“Mesmo com expectativa de redução do nível de atividade este ano, se projeta recuperação do crescimento da economia para o último trimestre. Estamos trabalhando para tentar antecipar isso. Esses esforços de reequilíbrio levam algum tempo, e acho que as pessoas entendem isso porque o Brasil sabe o quanto é importante manter a estabilidade fiscal e o controle da inflação”.

Sobre o Congresso estender aos beneficiários da previdência o reajuste do salário mínimo, Barbosa disse que a Medida Provisória ainda está em discussão e o governo vai trabalhar para reverter a mudança no Senado.

“Essa extensão coloca em risco a sustentação da Previdência e a política de valorização do salário mínimo. Em negociações trabalhistas com sindicatos, normalmente se adota uma regra para reajustes dos salários médios e outra para o piso salarial. Se for utilizar regra geral do piso para reajustar todos os benefícios, vai inviabilizar a regra do salário mínimo, ou colocar em risco a sustentação da Previdência”, explicou.

“Não se deve usar Previdência para disputa partidária. Previdência é uma questão de Estado, e as medidas de agora têm seus efeitos maiores em quatro, cinco, dez anos”, completou.

O ministro se mostrou confiante quanto a aprovação das contas do governo pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Segundo ele, os argumentos são sólidos e suficientes para garantir a aprovação das contas da presidenta Dilma no primeiro mandato.

“Esse é um debate técnico e extenso, e o governo está trabalhando em todos os aspectos dessas questões para esclarecer não só ao TCU, mas a toda a sociedade brasileira, que a política fiscal foi conduzida de uma maneira responsável e seguindo o que manda a lei”, defendeu.

Da Redação da Agência PT de Notícias, com informações do jornal “O Globo”

---
Rede PT Ribeirão, com informações do jornal "O Globo"
Receba nossas notícias pelo Telegram Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto

Comentários

Ainda não há comentários nesta notícia. Seja o primeiro!