Para economistas, PEC 241 não soluciona problemas e prejudica crescimento

/ Por Agência Rede PT Ribeirão

Foto: Jornalistas Livres

Para economistas, PEC 241 não soluciona problemas e prejudica crescimento

Economistas das principais universidades do país estiveram em audiência pública no Senado Federal nesta terça-feira (11) para falar sobre a proposta - foto: Jesse de Souza

Economistas das principais Universidades do país afirmam que a Proposta de Emenda Constitucional PEC 241 representa retrocesso e uma “camisa de força” para o país. A audiência pública, requerida pela presidente da Comissão de Assuntos Econômicos, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), ocorreu na manhã desta terça-feira (11), um dia após aprovação em primeiro turno da PEC que congela gastos com áreas como saúde e educação, baseado nos índices de inflação no país.

 

A PEC 241 não só não soluciona os problemas que temos como pode prejudicar muito uma retomada, a estabilidade política.

 

Laura Carvalho, doutora economista da Universidade de São Paulo, demonstrou não haver nenhuma experiência internacional parecida ao congelar por 20 anos a possibilidade de investimentos e que a inconsistência da proposta é grave. “Nossa crise fiscal é muito mais o sintoma da crise econômica brasileira do que a causa dessa crise. Portanto, a PEC 241 não só não soluciona os problemas que temos como pode prejudicar muito uma retomada, a estabilidade política”, afirmou.

 

 

A doutora também esclareceu que a crise tem por origem falta de receitas e não abuso de gastos, como afirmado por governistas e defensores da proposta. Ela também reafirmou que é a volta do crescimento econômico que pode mudar essa realidade, e que nesse sentido a PEC poderá ter efeito contrário, engessando a economia e o investimento no país caso haja melhorias em breve.

 

“Negam sistematicamente que 53% dos impostos pagos no país vem classes mais humildes como os que recebem até três salários minímos”

Já o professor da Universidade Federal Fluminense, Jessé Souza, trouxe um panorama complexo do “novo capitalismo” e denunciou as “chantagens” promovidas pelo capital financeiro por meio da mídia, da compra do parlamento e da consequente manipulação do estado por interesses estrangeiros, diferentemente de anos passados.

 

Segundo ele, o desmonte do estado de bem estar social é seguido de exemplos práticos de como o empresariado “não quer pagar o pato”, ou seja, impostos sobre grandes fortunas, heranças e desonerações pagas pelo Governo, sem nenhuma contrapartida das empresas, mas exige que a população mais pobre o pague e ainda defende o corte destes investimentos na saúde e educação.

 

“Negam sistematicamente que 53% dos impostos pagos no país vem classes mais humildes como os que recebem até três salários mínimos”, afirmou.

 

Laura Carvalho, da USP, respondeu ao senador Cristovam Buarque (PPS-DF) que questionou qual seria o plano para substituir a PEC. “Acabar com essas desonerações de impostos do empresariado, cobrar a sonegação fiscal monstruosa e imposto progressivo sobre grandes fortunas são aplicadas por grandes países em todo o mundo”, afirmou Carvalho.

Leia mais:


– Em audiência, senadores desconstroem falácia de que PEC 241 é a solução para a crise do País

– PEC 241 reverte pacto distributivo, mas sociedade vai cobrar a conta em 2018, avalia cientista político

– “PEC da Morte” é remédio amargo e ineficiente, afirma economista da USP

– “PEC 241 é condenação de morte para milhares de brasileiros”

 

 

---
Rede PT Ribeirão, com informações do portal Jornalistas Livres
Receba nossas notícias pelo Telegram Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto

Comentários

Ainda não há comentários nesta notícia. Seja o primeiro!