FMI contradiz Meirelles e diz que combate à desigualdade é prioridade

/ Por Agência Rede PT Ribeirão

Foto: Fabrice Coffrini/AFP

FMI contradiz Meirelles e diz que combate à desigualdade é prioridade

Afirmação da diretora-geral do FMI aconteceu no Fórum Econômico Mundial em resposta a Meirelles, que defendeu reformas de Temer que retiram direitos

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, afirmou que a prioridade das políticas econômicas precisa ser o combate à desigualdade social. A fala de Lagarde foi uma resposta ao ministro da Fazenda do governo golpista de Michel TemerHenrique Meirelles, que defendeu a necessidade de adotar reformas como as que Temer tem feito no Brasil.

 

O comentário de Lagarde contradizendo Meirelles ocorreu nesta quarta-feira (18) durante a participação de ambos em um painel do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

 

Questionado pela moderadora sobre como convencer a classe trabalhadora a aceitar reformas que exigirão dela “grandes sacrifícios”, Meirelles havia dito que o Brasil, diferentemente dos países ricos, não tem a tradição de uma classe média sólida, o que tornaria necessário o pacote de medidas como a Proposta de Emenda a Constituição PEC 55.

 

“Nos últimos quinze anos, vimos a proporção da classe média na população dobrar. E isso aconteceu ao longo da última década. Por causa da recessão que vimos nos últimos anos, essa dinâmica se inverteu, mas isso é um problema de curto prazo”, disse Meirelles.

 

Lagarde respondeu na sequência, afirmando que prioridade das políticas econômicas deve ser combate à desigualdade.

 

“Não sei por que as pessoas não escutaram a mensagem (de que a desigualdade é nociva), mas certamente os economistas se revoltaram e disseram que não era problema deles. Inclusive na minha própria instituição, que agora se converteu para aceitar a importância da desigualdade social e a necessidade de estudá-la e promover políticas em resposta a ela”, afirmou a diretora do FMI.

 

Meirelles defendeu que o País está no momento de estabelecer uma classe média, “fazendo ela crescer com a abertura da economia”.

 

Mesmo sem citar o Brasil, Lagarde destacou que a desigualdade social precisa estar no centro das atenções dos economistas se eles quiserem um crescimento sustentável e, como consequência, uma classe média forte.

 

“Nosso argumento é de que, se há excesso de desigualdade, isso é contraproducente para o crescimento sustentável ao qual os membros do G-20 aspiram. O excesso de desigualdade está colocando travas nesse desenvolvimento sustentável”, disse.

 

Um estudo do próprio FMI de 2013 aponta que políticas de controle de gastos públicos resultam na geração de desemprego a curto prazo, o que contribui para a contração da classe média e o aumento do fosso social entre ricos e pobres.

 

O estudo mostra que pacotes de ajustes fiscais como o adotado pelo Brasil podem ter resultados adversos, dependendo das estratégias escolhidas na gestão pública.

 

“Pacotes de cortes nos gastos públicos tendem a piorar mais significativamente a desigualdade social, do que pacotes de aumentos de impostos”, afirma o levantamento.

 

A conclusão do estudo foi de que o primeiro reflexo de cortes nos gastos públicos é um aumento do desemprego e consequente aumento da desigualdade social.

 

No debate em Davos, Lagarde recomendou a escolha cautelosa de políticas públicas no contexto da quarta revolução industrial, de modo que governos como o do Brasil não olhem apenas para os desafios imediatos da globalização, mas se preparem para o futuro de longo prazo.

 

“Estamos agora em um momento muito oportuno para colocar em prática as políticas que sabemos que irão funcionar. Um momento de crise é momento de avaliarmos as políticas que estão em ação, o que mais podemos fazer, que tipo de medidas tomamos para reduzir a desigualdade social?”, questionou.

 

Para a diretora-geral do FMI, essas políticas precisam levar em conta qual tipo de redes de apoio social, de educação e treinamento os governos oferecem à sua população.

 

“Há coisas que podem ser feitas: reformas fiscais, reformas estruturais e políticas monetárias. Mas elas precisam ser graduais, regionais, focadas em resultados para as pessoas e isso provavelmente significa busca uma maior distribuição de renda do que há no momento”, reforçou Lagarde.

---
Rede PT Ribeirão, com informações da BBC Brasil
Receba nossas notícias pelo Telegram Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto

Comentários

Ainda não há comentários nesta notícia. Seja o primeiro!