O Hierofante é nosso!

/ Por Agência Rede PT Ribeirão

Arte: Ana Favaretto

O Hierofante é nosso!

O Hierofante confraternizará com as companheiras e companheiros do PT, dos movimentos sociais, da esquerda, também os simpatizantes, militantes e demais curiosos, no próximo dia 21 - sábado - na sede do Diretório Municipal de Ribeirão Preto

É com muito prazer que anuncio a parceria do Centro Cultural Newton Mendes Garcia com O Hierofante! É isso mesmo! A partir de 2020, a Pati e o Rafones aterrissarão na famosa Avenida Santa Luzia, 120 - sede do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores de Ribeirão Preto - para nos ajudar a movimentar a cena político-cultural da cidade.

 

 

Há muito, vínhamos conversando sobre essa possibilidade, mas, depois da participação de Márcio Coelho (esse que vos escreve) e Ana Favaretto no Hierostock, um festival de rock em ambiente rural, promovido pela dupla-coletivo, num clima fantástico, a parceria se consolidou.

 

Leia, a seguir, a entrevista do Hierofante para a Rede PT, conheça-o melhor e saiba das novidades. Evoé, Hierofante!

 

RedePT: Primeiramente, o que quer dizer Hierofante?

Hierofante: Segundo o Wikipédia, Hierofante é o termo usado para designar os sacerdotes da alta hierarquia dos mistérios da Grécia e do Egito. É o sacerdote supremo, que pode ser chamado também de Sumo Sacerdote. Ele aprece também no tarot, O Papa - ou O Hierofante - é o quinto arcano maior do baralho do Tarot. É um homem com mais ou menos 60 anos, um sacerdote da alta hierarquia, um dirigente espiritual. Esta lâmina tem o número V e a letra hebraica HE.

 


 

RedePT: O que é O Hierofante do Rafones e da Pati?

Hierofante: Bom, nem eu nem a Pati somos ligados a esses lances místicos, e nem um pouco aficionados pelos grandes mistérios da Grécia Antiga e do Egito, nosso negócio sempre foi música, poesia e política. Na hora de escolher o nome, fizemos uma lista com algumas referências nossas, entre elas, foi unânime a escolha de ''O Hierofante'', trata-se de um poema escrito pelo nosso modernista Oswald de Andrade na década de 20, e musicado pelos Secos e Molhados em 1974.

“Não há possibilidade de viver
Com essa gente
Nem com nenhuma gente
A desconfiança te cercará como um escudo
Pinta o escaravelho
De vermelho
E tinge os rumos da madrugada
Virão de longe as multidões suspirosas
Escutar o bezerro plangente”

(O Hierofante, de Oswald de Andrade)

 

 

RedePT: Vocês têm um bar?

Hierofante: Tínhamos. Esse lance da escolha do nome foi em 2013, na época, nós já morávamos juntos, eu era vendedor em uma loja de departamentos, na Av. Saudade, onde trabalhei por 8 anos. Nosso plano era eu sair do meu emprego e, com o acerto, abrir um espaço alternativo/underground, já que, desde o fechamento do saudoso Liver Power Rock (Porão), tínhamos essa lacuna na cena cultural da cidade.

 

Assim foi feito. Em Outubro de 2014, inauguramos O Hierofante, na rua Lafaiete, próximo a baixada, ainda sem saber muito bem o caminho que percorreríamos. Sem saber o mínimo sobre como gerir um bar, nos instalamos em um salão velho - pra não dizer caindo aos pedaços - e por lá fizemos algumas grandes festas, ainda hoje lembradas com carinho pelos nossos frequentadores mais fiéis. Foi lá, também, que surgiu nossa parceria com o Coletivo Fuligem, fato que abriu um leque de oportunidades pro nosso bar, que, nesse momento, já se estabelecia como um ponto de cultura na cidade.

 

De lá pra cá, estivemos em três endereços diferentes, sendo o mais badalado o que inauguramos em 2016; foi quando recebemos mais de 100 bandas autorais independentes de vários países e estados diferentes.  Este também foi o ano do golpe na nossa querida presidenta Dilma Rousseff e isso nos aproximou dos movimentos sociais, então, organizamos palestras, debates, filmes, exposições e algumas ações a fim de denunciar o golpe em andamento, que infelizmente foi consolidado no mesmo ano. Em 2017, nos mudamos para a rua Goiás, começamos fortes por lá, várias bandas se apresentaram, firmamos uma parceria com o Instituto Cultural Lyndolpho Silva e traçamos juntos uma agenda de aulas abertas sobre teóricos marxistas, entre outros assuntos pertinentes em tempos tão sombrios. No entanto, longe do centro da cidade, o público já não era o mesmo e nossa discotecagem de música brasileira já fazia mais sucesso do que as bandas que gostamos de produzir. Deixamos a coisa ir andando sozinha e quando nos demos conta nossa renda vinha 80% das discotecagens. Já desanimados em manter o espaço físico, no final de 2018, a Pati descobriu que estava grávida. Era a nossa deixa. Dois filhos não seríamos capazes de manter, e O Hiero já era um. Então, fechamos as portas do bar a fim de receber a pequena Lara em uma casa mais confortável e longe do barulho em que vivíamos, Pati e eu, desde 2014.      

 

RedePT: Onde o Hierofante atua?

Hierofante: Como mencionado acima, hoje, nossa marca gira em torno da discotecagem de música brasileira 100% vinil, a levamos onde somos chamados: bares, casas de shows, festivais, casamentos etc. Também produzimos eventos nos quais recebemos bandas do circuito independente, em outras casas parceiras. Além das gigs esporádicas, organizamos anualmente um festival de três dias, em um rancho na beira do Rio Pardo, o Hierostock. Na última edição, em 2018, recebemos 30 atrações em dois dias, foi quase uma virada cultural. Já passaram pelo festival bandas, como Picanha de Chernobill, Tatá Aeroplano, Meneio, Irmãos McCoy, entre outras, inclusive, reitero aqui a honra que tivemos de receber, no ano, passado o sacana do Márcio Coelho e a querida Ana Favaretto, por lá, fazendo música infantil, no dia das crianças para filhos e filhas da malucada (risos). Brincadeiras à parte, o festival foi um sucesso e esse ano tem mais!

 

RedePT: Que tipo de música o Hierofante toca?

Hierofante: Nosso som é bem específico, o que acaba limitando um pouco nossos espaços de atuação. Procuramos fazer um resgate de vários movimentos musicais, passando por diversos ritmos e gêneros, focando principalmente nos anos 70. O público pode esperar os clássicos dos festivais de MPB, tropicalismo, samba, bossa nova, samba rock, frevo, forró, baião, psicodelia brasileira em geral, rock rural, rock gaúcho, pra citar alguns nomes e referências, somos muito fãs de Belchior, Alceu Valença, Jorge Ben Jor, Gal Costa, Elis, Os Mutantes, Chico Buarque e por aí vai. Apesar de o público ser restrito, não abrimos mão da ''boa música'', entre aspas, porque sabemos que ''boa música'' é algo relativo. Mas expressamos, no nosso som, realmente, nosso gosto pessoal, não vejo como um defeito, seria?

 


 

RedePT: O Hierofante está fazendo uma parceria com o Centro Cultural Newton Mendes Garcia, o que nós podemos esperar dessa parceria?

Hierofante: Confesso que nos espantamos com o tanto que esta parceria tende a render frutos. Estamos bem animados com a proposta, podem esperar as mais inusitadas bandas do circuito autoral independente passando por aí; muita música brasileira; feiras de vinil; cultura de rua; debates; filmes e, pra quem já conhece nosso trabalho, podem esperar que, em 2020, O Hierofante foi acolhido e tá de volta!!

 

 

Vou aproveitar o espaço aqui e soltar uma informação privilegiada para os leitores: Em fevereiro, já teremos a primeira banda ao vivo no Centro Cultural NMG, receberemos, diretamente de Mossoró/RN, os camaradas da Jubarte Ataca, um trio de Surf Music Instrumental visceral, que circula pelas casas e festivais mais importantes de música independente, desde 2009.

---
Márcio Coelho, secretário de Cultura do PT de Ribeirão Preto
Receba nossas notícias pelo Telegram Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto

Comentários

Ainda não há comentários nesta notícia. Seja o primeiro!