-->

Lula chama Moro de “promoter” após revelação de palestras ocultas na Lava Jato_+_+_Moro já fez palestra até em um castelo de Curitiba

Por Esmael Morais

O ex-presidente Lula, mesmo mantido preso político em Curitiba, não perde o bom humor. O petista chamou de “promoter” o ministro Sérgio Moro, ex-juiz da Lava Jato.

Promoter, em inglês, significa “promotor” –aquele que promove eventos e eventualmente, no caso do então magistrado, também promovia alguma ação contra adversários políticos e ideológicos no papel da acusação.

“Juiz e promotor ou promotor e promoter?”, ironizou Lula após reportagem da Folha e do Intercept deste domingo (4) mostrar Moro promovendo uma palestra para seu parceiro Deltan junto ao gaúcho Grupo Sinos.

22.mai.2017
Sergio Moro
19:25:02 […] do Grupo Sinos, lá de Novo Hamburgo, pediu seu contato. Ano passado dei uma palestra lá para eles, bem organizada e bem paga.
Deltan Dallagnol
22:58:10 Passa sim! Abraços

LEIA TAMBÉM
https://www.esmaelmorais.com.br/2019/08/lula-chama-moro-de-promoter-apos-revelacao-de-palestras-ocultas-na-lava-jato/

______________+++++++_________________

Moro já fez palestra até em um castelo de Curitiba
Fotos: divulgação.

O ministro Sérgio Moro já foi palestrante até mesmo em um badalado castelo de Curitiba, o Castelinho do Batel, local de eventos corporativos, formaturas e casamentos.
No dia 9 de março de 2016, o então juiz da 13ª Vara Federal do Paraná palestrou para empresários a convite da LIDE (Grupo de Líderes Empresariais) –um agrupamento de lobby que era presidido pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Na época, uma fonte do Blog do Esmael que trabalhou no evento revelou que uma palestra de Moro saía por muito mais que os R$ 10 mil ou R$ 15 mil apurados pela Folha e o Intercept neste domingo (4). A Resolução nº 226/2016 do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) considera atividades externas dos magistrados como “docência”, portanto, não sujeitas à declaração da remuneração.
Antes, porém, no dia 24 de junho de 2015, Joaquim Barbosa, recém-saído do Supremo Tribunal Federal (STF), ainda surfando na onda no mensalão, também palestrou pela LIDE sobre o tema “O poder e a ética no Brasil” no castelo de Curitiba.
O prédio é uma construção de 1928 inspirado nos castelos franceses da região do vale do Loire, na França. Nos tempos de glória dos barões da Erva Mate, o endereço chique da capital paranaense, recebeu quatro presidentes da República (Juscelino Kubitschek, Eurico Gaspar Dutra, Jânio Quadros e João Goulart), os príncipes do Japão e da Holanda, Oshio e Bernard, respectivamente.

Na década de 50, o Castelinho do Batel também foi residência de governador e por trinta anos, entre 1973 e 2003, agasalhou a TV Paranaense (atual RPC) –afiliada da Rede Globo no Paraná.