-->

A agro-política de Tereza Cristina

Deputada Federal indicada para o Ministério da Agricultura de Bolsonaro possui histórico na articulação de políticas anti-indígenas, contra quilombolas e prejudiciais ao meio ambiente  Por Fábio Zuker e Andreza Davidian, especial para a Amazônia Real  Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias é engenheira agrônoma formada pela Universidade Federal de Viçosa (MG). Neta e bisneta de

Nelma Sarney permite nova derrubada de casa no Cajueiro

No NMP A desembargadora do Tribunal de Justiça do Maranhão, Nelma Celeste Souza Silva Costa, conhecida pela alcunha de Nelma Sarney, ordenou, em mandado de reintegração de posse em favor da WPR SÃO LUÍS GESTÃO DE PORTOS E TERMINAIS (PORTO SÃO LUÍS), a desocupação, com uso de força policial, de mais uma casa no Cajueiro,

Crianças indígenas Kinikinau são vítimas de atropelamento na estrada que liga Miranda à Cerâmica/MS

O motorista, que dirigia uma Camionete branca, fugiu sem prestar socorro Por Michelle Calazans, no Cimi Duas crianças indígenas Kinikinau, com sete e nove anos de idade, foram atropeladas na manhã desta terça-feira (13), quando andavam de bicicleta próximo à estrada que liga Miranda à Cerâmica, em frente à Comunidade Mãe Terra, na Terra Indígena

Futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina trabalha para tirar direitos dos indígenas

Entre os doadores da deputada estão grandes empresas do agronegócio e acusados de invadir terras Guarani Kaiowá e de mandar matar Marcos Veron; parlamentar teve fazenda levada a leilão e tentou ajudar JBS e outras a não pagar dívidas com trabalhadores rurais Por Luís Indriunas, no De Olho nos Ruralistas Atual presidente da Frente Parlamentar da

Comunidades quilombolas aguardam regularização de suas terras

Segundo dados do Incra são cerca de 6 mil comunidades no país e apenas 116 foram tituladas Ana Carolina Caldas, Brasil de Fato Desde a promulgação da Constituição Federal, em 1988, é assegurado aos quilombolas o direito à terra. As comunidades formadas e nas quais hoje moram descendentes de pessoas escravizadas têm direito à titulação de suas propriedades. Atualmente são 38 comunidades

Nota Pública da CBDDH: Intimidações durante visita da CIDH em Santarém (PA): Não nos calaremos!

As 34 organizações, do campo e da cidade, que compõem o Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores de Direitos Humanos (CBDDH), manifestam sua preocupação e vêm a público denunciar as ameaças e intimidações sofridas à Comitiva da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), autoridades brasileiras, lideranças indígenas, defensoras e defensores de direitos humanos e representantes

Reconhecidos territórios de duas comunidades quilombolas mineiras

No Incra/MG O Incra reconheceu, por meio de portarias publicadas no Diário Oficial da União, o território das comunidades quilombolas Lagoa Grande e Marobá dos Teixeira, ambas localizadas no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais. A primeira portaria, assinada pelo presidente da autarquia, foi publicada dia 26 de setembro e a segunda em 23 de outubro. 

Famílias produtoras do café Guaií sofrem ameaça de despejo

O julgamento tem data marcada para o dia sete (7) de novembro, no fórum de Campos Gerais Por  Matheus Teixeira Batista e Geanini Hackbardt, da Página do MST São 450 famílias, que vivem há mais de 20 anos na usina falida Ariadnópolis, em Campo do Meio, Minas Gerais. Atualmente a área é chamada de Quilombo

Em audiência pública com participação do MPF, os Munduruku discutem extração ilegal de ouro no médio Tapajós (PA)

Cerca de 300 indígenas estiveram reunidos nos dias 22 e 23 com pesquisadores e autoridades, debatendo o problema, que é uma das maiores ameaças ambientais da região O povo Munduruku convocou e realizou uma audiência pública de dois dias na Terra Indígena Praia do Índio, em Itaituba, sudoeste do Pará, para discutir o problema do

Acordo reafirma não-prescrição para atingidos pelo crime da Samarco/Vale-BHP

Assinatura aconteceu nesta sexta-feira entre as empresas, os Ministérios e as Defensorias Públicas Por Fernanda Couzemenco, Século Diário Agora são as próprias empresas criminosas a afirmarem que não haverá prescrição dos direitos e pretensões dos atingidos pelo rompimento da Barragem de Fundão, da Samarco/Vale-BHP, no dia cinco de novembro de 2015, em Mariana/MG. O reconhecimento foi