-->

Associação dos Docentes (Aduff) leva preocupação e contrariedade com portaria ‘militar’ à Reitoria da UFF

Reitor e vice receberam a direção da seção sindical e disseram que portaria está sendo superdimensionada e que não haverá ingerência militar na UFF Por Hélcio Lourenço Filho , na Aduff A diretoria da Aduff-SSind expôs ao reitor da Universidade Federal Fluminense, professor Antonio Claudio da Nóbrega, a preocupação da entidade com a portaria da

MPF recomenda à Secretaria de Educação estadual que providencie transporte escolar a crianças da Terra Indígena Ibirama-La Klãnõ

Alunos indígenas do Meio Oeste estão sem poder frequentar a escola, mesmo com período letivo tendo começado esta semana Ministério Público Federal em SC Em face do injustificável descumprimento do dever do estado de Santa Catarina em disponibilizar transporte escolar para crianças e adolescentes frequentarem aulas nas duas escolas da Terra Indígena Ibirama-La Klãnõ, no

Relatos apontam ‘temas proibidos’ no Colégio Militar. Exército diz que não houve mudança de postura

Por Giovana Fleck, no Sul21 Não se fala no golpe de 64 há muito tempo. Não se fala em sexualidade. Agora, não se fala em gênero. Relatos de professores dão conta de um cenário de temas interditados no Colégio Militar de Porto Alegre, a exemplo do que estaria ocorrendo em outras escolas do país também.

STF: Ministro suspende decisão contrária à livre manifestação de ideias em ambiente acadêmico

Liminar do ministro Edson Fachin suspende efeitos de decisão que autorizava deputada estadual a manter em rede social mensagem contrária à decisão plenária que assegura a livre manifestação de ideias em ambiente acadêmico STF O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), deferiu liminar na Reclamação (RCL) 33137 para suspender os efeitos de decisão

Carta aberta ao ministro da Educação

Por Laura Sito*, no Sul21 “Que ninguém roube a nossa capacidade de sonhar” Caro Ministro da Educação, Ricardo Vélez-Rodriguez, Tenho 27 anos e sou uma jornalista formada na Universidade Federal do Rio Grande do Sul pela política de cotas. Minha mãe – mãe solteira e empregada doméstica – teve a alegria de ir ao salão de atos

O nome dela é Jhenyfer, ex-aluna de escola pública, negra e aprovada em medicina na USP aos 17 anos: ‘Universidade é para todos’

Jovem defende política de cotas e maior possibilidade de acesso de pobres e negros ao ensino superior. Por Luiza Tenente, G1 Jhenyfer Rosa, de 17 anos, foi aprovada em medicina na Universidade de São Paulo pelas cotas do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Eram 15 vagas reservadas a ex-alunos de escolas públicas que sejam negros,

UniFavela semeia o ensino popular na Maré

Por Mareen Butter, no Rio On Watch “O nosso DNA não é só nosso. Têm milhares de anos de contato com outras bactérias”, Luana Silva dos Santos explica. Estava tão quente naquela tarde de fim de primavera que várias garrafas de água gelada foram necessárias para que os estudantes conseguissem se concentrar. O grupo estava

Dois anos após a aprovação de Teto dos Gastos, entidades alertam para o risco de colapso das políticas sociais no país

Coalizão de sociedade civil faz apelo aos novos parlamentares do Congresso Nacional e ao  Supremo Tribunal Federal pela revogação da Emenda Constitucional 95 Na Plataforma de Direitos Humanos Na semana em que a Emenda Constitucional 95, conhecida como Teto dos Gastos, completa dois anos (15/12), organizações de sociedade civil, conselhos nacionais de direitos, movimentos sociais, instituições

3º Congresso Internacional dos Povos Indígenas da América Latina (CIPIAL) 2019: inscrições de trabalho até 18/01/2019

Parentes, aliadas, aliados, pesquisadoras e pesquisadores, Somos três indígenas acadêmicos e convidamos vocês para inscreverem os seus trabalhos no Simpósio Temático: “Trajetórias de acadêmicos indígenas: impactos presentes e perspectivas de futuro” (ST 58), que integra o 3º Congresso Internacional Povos Indígenas da América Latina (CIPIAL), que ocorrerá Brasília/DF entre 3 a 5 de julho de

Reestruturação do Ministério da Educação institui escolas “cívico-militares”, mas só se discute o azul e rosa?

Tania Pacheco* Num artigo que postamos ontem (Sobre política, distração e destruição), Silvio de Almeida fala da existência de três núcleos no atual governo e chama o primeiro de “ideológico-diversionista”. Me aproprio dessa definição: integrado pelo próprio presidente eleito, filhos e corte, é esse núcleo que chama nossa atenção para os fogos de artifício ruidosos,