Quem foi Goebbels, nazista plagiado por Alvim

Usado como inspiração em vídeo publicado pelo secretário especial da Cultura, Roberto Alvim, nas redes sociais, Joseph Goebbels é um dos mais conhecidos integrantes do regime nazista responsável pela morte de cerca de 6 milhões de judeus, além de ciganos, homossexuais e outras minorias, durante a Segunda Guerra Mundial.

Especialistas e historiadores o apontam como um dos seguidores mais fiéis, fanáticos e leais de Adolf Hitler, responsável por transformá-lo em uma espécie de salvador do povo alemão e de convencer a população sobre a inferioridade do povo judeu. Além disso, Goebbels também é considerado um dos precursores da propaganda política como a conhecemos atualmente.

Na manhã desta sexta-feira, a Secretaria da Cultura anunciou que Roberto Alvim seria exonerado pelo presidente Jair Bolsonaro após a repercussão de seu discurso.

Nascido numa família católica em uma país majoritariamente protestante, Goebbels sofreu na infância com a poliomielite e, posteriormente, também com a osteomielite. Fisicamente frágil e pequano, sofreu bullying durante a infância e também foi rejeitado pelo serviço militar na Primeira Guerra Mundial. Após a rejeição, decide se focar nos estudos mas também se aproxima se aproxima de doutrinas antissemitas, que pregavam a inferioridade dos judeus em relação a outras culturas.

Nesse mesmo período, na década de 1920, se aproxima do Partido Nazista e, particularmente, de Hitler. Tanto Goebbels quanto o líder nazista enxergavam na propaganda um papel preponderante para a vitória da ideologia de dominação do nazismo. É Goebbels, por exemplo, o autor da frase famosa até hoje sobre a repetição de mentiras: “uma mentira, contada mil vezes, se transforma em verdade.”

— Já na sua obra autobiográfica, Hitler afirma que a propaganda nazista tinha que ser simples, emotiva e popular. Para conseguir convencer até mesmo a pessoa mais humilde. A propaganda ão deveria ser racional, mas sim emotiva, atingir o coração e sentimento das grandes massas — afirma Wagner Pinheiro Pereira, professor do Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Após a ascensão de Hitler ao poder, é a Goebbels que ele entrega o Ministério do Esclarecimento Popular e Propaganda, cujo objetivo era “nazificar” as atividades artísticas e culturais alemãs, transformando Adolf Hitler em uma figura messiânica, protetora dos alemães.

Por meio desses, apresentava Hitler como um líder infalível e a raça ariana como superior a todas as outras. A propaganda nazista também colocava a Nação e a Pátria como bens supremos, além de apresentarem teorias conspiratórios de uma dominação mundial por parte dos judeus e o comunismo como ameaça da civilização ocidental.

Durante o período nazista, a literatura, a arquitetura e o teatro estavam a serviço do Estado e, com isso, obras de psicanálise, liberais, marxistas e humanisticas eram queimadas em cerimônias públicas.

— Assistindo ao discurso do Alvim, ele é muito semelhante aos discursos que Goebbels fazia — diz Wagner Pinheiro Pereira.

Em razão de sua fidelidade e lealde, em seu testamento, Hitler indicou Goebbels como seu sucessor como Chanceler. No entanto, ele permaneceu apenas um dia no cargo e seguiu o exemplo de Hitler. Além de suicidar junto com sua mulher, Magda, Goebbels ordenou que um dentista do regime administrasse uma ampola de cianeto para seus seis filhos, envenenando-os.

Goebbels transformou política em espetáculo
Intimamente ligados a um dos regimes mais cruéis da história da Humanidade, Goebbels e as técnicas utilizadas pela propaganda nazista terminaram influenciando parte da forma como a publicidade ainda é feita até os dias de hoje, afirma Wagner Pinheiro Pereira, cuja tese estudou o poder da imagem nos regimes autoritários.

— Embora o nazismo tenha sido derrotado, parte do imaginário propagado por ele sobrevive até os dias de hoje. Principalmente no mundo ocidental, nesta cultura e nesse aspecto comercial que temos, todos os elementos da propaganda nazista sobreviveram. O culto ao corpo, à beleza, tudo isso tem muitos elementos da propaganda nazista formulada pelo Hitler e pelo Goebbels — explica Wagner Pinheiro.

Outras obras produzidas na época, como “Triunfo da Vontade” e “Olympia” também influenciaram diretores e a indústria cinematográfica nos anos seguintes. Dirigidos pela cineasta alemã Leni Riefenstahl, utilizaram enquadramentos e técnicas vanguardistas à época. “Olympia”, por exemplo, filma os Jogos Olímpicos de 1936, em Berlim e, até hoje, seus enquadramentos e uso da câmera são repetidos em transmissões esportivas.

Contudo, segundo Pinheiro Pereira, a principal característica que permaneceu após a queda de Goebbels foi a espetacularização da política. O ministro da propaganda nazista cobra ingressos para os discursos de Hitler, mas também ordena a construção de 6 milhões de aparelhos de rádio de baixo custo, tornando possível para que toda a população alemã acompanhasse os discursos do líder nazista.

— Primeiro no rádio, depois no cinema, chegando até as redes sociais hoje. A espetacularização mostra essa relação do líder com as massas de forma muito forte e que o Goebbels traça uma série de estratégias para atingir a população por meio delas — explica.

O Globo.

O post Quem foi Goebbels, nazista plagiado por Alvim apareceu primeiro em Blog da Cidadania.

Facebook Comments

Deixe um comentário

Receba nossas notícias pelo Telegram

Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto