-->

Nada detém o povo nas ruas

Jornal En Marcha, Edicão 1876 – Órgão Central do Partido Comunista Maxista-Leninista do Equador – PCMLE

Tradução: Alexandre Ferreira


Foto: JRE/En Marcha

Logo que o governo tornou público o pacote de medidas econômicas e reformas tributárias e trabalhistas, que foram adotadas como parte do acordo com o Fundo Monetário Internacional, as reações foram rápidas; por um lado, os setores empresariais, a grande mídia, os partidos políticos de direita saúdam a eliminação do subsídio ao combustível e o pacote de reformas trabalhistas que tornariam as relações entre trabalhadores e empregadores mais flexíveis; por outro, setores populares, organizações sociais, setores de pequenas e médias empresas, os transportadores os questionaram.

A condenação de medidas econômicas foi rapidamente expressa nas ruas. A organização de transportadores pesados, interprovinciais, urbanos, escolares e de táxi paralisou suas atividades. Para isso, os colonos, principalmente do setor popular, se reuniram nas barricadas; Estudantes universitários e secundários tomaram as ruas e o movimento indígena em várias partes do país tomou as estradas. O que começou como uma greve de transporte, logo se tornou uma faísca que queimou vários setores.

Diante da generalização da reivindicação, o governo e as classes dominantes agiram em conjunto: mobilizaram grandes contingentes policiais e militares, declararam estado de emergência no território nacional, além de uma campanha na mídia para desacreditar a mobilização e suas demandas. Sob o pretexto de “não corresponder ao correismo”, pretendia-se neutralizar a participação das principais organizações populares como o FUT, o Conaie e a Frente Popular.

Enquanto os líderes do desemprego das transportadoras negociavam o aumento das tarifas, as cidades tomaram as ruas. O Centro Histórico de Quito tornou-se um campo de batalha entre a universidade e os jovens secundários e policiais. Os bairros populares do norte e sul da cidade foram protagonistas altos níveis de luta e fechamento de estradas.

Em Imbabura, o movimento indígena tomou as estradas principais, o centro de Ibarra testemunhou importantes ações de protesto.

Em Cotopaxi, os estudantes paralisaram o centro de Latacunga; o movimento indígena impediu a passagem de veículos em áreas como Chasqui e Panzaleo; os militares mobilizados pelo estado de emergência foram rejeitados pelos cidadãos de Pujilí.

Em Tungurahua, o movimento indígena assumiu as torres de transmissão das emissoras de TV localizadas em Pilishurco; Eles bloquearam as estradas para Guaranda e Baños. Em Chimborazo, foi fechado na Panamericana Sur, como Riobamba – Guaranda e Riobamba – Macas; Nos bloqueios de Cañar foram feitos na Pan-Americana que comunica Azogues com Cuenca.

Na província de Azuay, as mobilizações no centro da cidade foram lideradas pelo prefeito Yaku Pérez, o movimento indígena daquela província paralisou Cuenca-Girón-Pasaje e Cuenca-Loja.

Na última província, as mobilizações concentraram-se no cantão de Saraguro e na praça central de Loja. No leste, foram relatados vários fechamentos de estradas no tronco da Amazônia, principalmente em pontos que conectam Baños ao Puyo e Puyo ao Tena. Mobilizações foram realizadas no litoral de Esmeraldas, Guayas, Santo Domingo, Manabí, El Oro.

9 de Outubro: Greve Nacional!

Os atos criminosos que ocorreram aproveitando o protesto foram utilizados pelo governo e pelas classes dominantes para justificar a repressão e tentar distorcer a justiça. de mobilização.

O governo negociou desesperadamente com as transportadoras para aumentar o desemprego, com quem se comprometeu, apesar de violar a autonomia dos municípios, para aumentar os preços dos ingressos, além de uma série de medidas tarifárias e isenções fiscais. As decisões chegaram muito tarde, o movimento de desacordo se espalhou por todo o território nacional.

As organizações sociais e populares, por meio de uma entrevista coletiva, anunciaram a convocação de uma greve nacional para 9 de outubro. As principais reivindicações que eles levantam são:

• Derrogatório ao pacote econômico;
• Rejeição de aumento de tarifas de passagens;
• Oposição à contra-reforma trabalhista;
• Derrogatória ao estado de exceção;
• Rejeição à brutal repressão e liberdade dos detidos.

Essa ação é uma alta forma de luta que trabalhadores e povos têm; As organizações por meio dessa mobilização expressarão desacordo com as medidas econômicas e com a política que o governo Moreno vem promovendo. Estão previstas várias mobilizações nas capitais provinciais, fechamento de estradas, paralisação de centros de produção, entre outras ações.

Deixe um comentário

Receba nossas notícias pelo Telegram

Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto