-->

Edir Macedo e as demissões na TV Gazeta

Por Altamiro Borges

Nesta segunda-feira (5), a Fundação Cásper Líbero demitiu cerca de 80 funcionários, metade deles da TV Gazeta. Em uma nota lacônica, ela afirmou tratar-se de “reestruturação interna com o objetivo de equalizar as despesas à realidade das receitas do momento”, e culpou “a situação macroeconômica, com forte retração no mercado publicitário” pelo doloroso facão. É certo que a recessão – e a própria crise do modelo de negócios da mídia tradicional – contribuiu para os cortes. Mas há boatos de que as dispensas também já refletem as trevas de Jair Bolsonaro. O bispo “charlatão” Edir Macedo, dono da Record, poderia estar por traz das demissões.

O jornalista Flávio Ricco, do site UOL, foi o primeiro a levantar essa suspeita no artigo intitulado “Gazeta renova com a Universal e praticamente extingue o jornalismo”. Conforme observou, a componente surpresa neste facão foi a retomada das negociações da emissora com a Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd). O contrato de publicidade havia terminado em setembro, mas foi refeito inesperadamente nos bastidores. “A saída da Igreja Universal da TV Gazeta foi só por um mês, em outubro. O antigo contrato terminou em 30 de setembro e a sua programação voltou a ser veiculada, como se nada tivesse acontecido, no dia 1º de novembro. A Iurd, em relação à TV Gazeta, continua ocupando os mesmos horários, 6h às 7h da manhã, 8h às 10h da noite. Só não existem informações, claro, sobre os valores do antigo e atual contratos”.

Já o jornalista Mauricio Stycer registra que “a TV Gazeta está promovendo um corte drástico de pessoal na área de jornalismo. Cerca de 25 profissionais foram demitidos nesta segunda-feira, incluindo executivos, apresentadores, produtores e repórteres da emissora paulista. O corte representa cerca de 70% do departamento do jornalismo. Entre os afastados estão Dácio Nitrini, diretor do departamento, Wagner Kotsura, chefe de redação, Sérgio Galvão, editor-chefe do ‘Jornal da Gazeta’, Gabriel Cruz e Stella Gontijo, apresentadores. O ‘Jornal da Gazeta’, edição das 22h, foi extinto. O principal, a edição das 19h, permanece, mas de forma limitada, já que apenas dois repórteres foram preservados das demissões”. Ele também lembra que “a TV Gazeta sofreu um baque recente nas receitas devido à renegociação da venda de horários para a Igreja Universal”.

A área de jornalismo da TV Gazeta vinha destoando da linha editorial das demais emissoras privadas. Com profissionais mais críticos, como o jornalista Bob Fernandes, ela fez uma cobertura mais isenta do golpe do impeachment contra Dilma Rousseff e também apontou os riscos da candidatura ultradireitista de Jair Bolsonaro. Mas a emissora da Fundação Cásper Libero, com baixa audiência e pouco faturamento em publicidade, há muito que já dependia dos recursos da Iurd, que ocupa parte importante da sua grade de programação. Como o "bispo" Edir Macedo, dono da Iurd e da Record, virou um cabo eleitoral do fascista, as suspeitas de represálias têm consistência.

Deixe um comentário

Receba nossas notícias pelo Telegram

Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto