-->

Ronaldinho não será ministro dos Esportes

Por Altamiro Borges

Com forte exposição midiática e muita grana e ostentação, alguns atletas têm se arriscado no mundo da política, geralmente com posições de direita. Nas eleições de 2014, por exemplo, o “fenômeno” Ronaldo – o “Ronalducho”, segundo o apelido cunhado pelo corrosivo José Simão – foi o destaque. Ele apoiou ativamente o cambaleante Aécio Neves. Após a carreira do tucano ter virado pó, o ex-craque da seleção brasileira se disse decepcionado e sumiu de campo. Quem o substituiu no pleito deste ano foi Ronaldinho Gaúcho, que chegou a anunciar sua candidatura ao Senado e o apoio a Jair Bolsonaro. Na véspera da eleição, o jogador postou nas redes sociais uma foto vestindo a camiseta amarela da “ética” CBF com o número 17 em alusão ao postulante neofascista.

Ele até poderia estar comemorando a vitória do seu candidato. Poderia, inclusive, almejar um carguinho no novo governo. Talvez o de ministro do Esporte. Mas ele parece que não anda com muita sorte. Em primeiro lugar, porque Jair Bolsonaro não dá qualquer importância ao setor. Tanto que já decidiu extinguir o Ministério do Esporte. Atletas que fizeram campanha para o fascistoide, como Ronaldinho Gaúcho e vários jogadores da seleção de vôlei, devem estar se sentindo traídos. Além disso, o ex-craque perdeu prestígio com a sua opção política. Até o Barcelona, que projetou o atleta no mundo, criticou o seu oportunismo.

Conforme noticiou o jornal espanhol Sport, “o FC Barcelona fez uma declaração institucional, através do seu porta-voz, Josep Vives, sobre o apoio que Ronaldinho, embaixador do clube, deu ao candidato ultradireitista à presidência do Brasil, Jair Bolsonaro – um militar da reserva que fez do racismo, da misoginia e da homofobia suas bandeiras. ‘Nossos valores democráticos não coincidem com as palavras que temos escutado desse candidato’, sentenciou Vives… O porta-voz do time catalão, porém, não descartou a possibilidade de punição do ex-jogador – com a perda do seu posto de embaixador. Vives deixou no ar se o Barcelona tomará alguma decisão drástica sobre Ronaldinho: ‘Não tomamos uma decisão a respeito. Veremos mais adiante’”.

Para estragar ainda mais sua festança eleitoral e bagunçar suas ambições políticas, na semana passada o ex-craque voltou a ter complicações com a Justiça – o que já virou rotina. O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul pediu a apreensão do passaporte de Ronaldinho Gaúcho e do seu irmão e empresário, Roberto Assis Moreira. A decisão do TJ-RS decorre do não pagamento de uma dívida por dano ambiental em Porto Alegre. Em 2015, os irmãos foram condenados por construção ilegal de um trapiche, com plataforma de pesca e atracadouro na orla do Lago Guaíba, em área de preservação permanente, sem licenciamento ambiental. A sentença transitou em julgado em fevereiro de 2015. Como não foram localizados, eles foram intimados em 2017. O valor das multas e da indenização é de R$ 8,5 milhões. Mas Ronaldinho Gaúcho, sempre em viagens bilionárias, jura que não tem grana!

Facebook Comments

Deixe um comentário

Receba nossas notícias pelo Telegram

Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto