A pressa e a narrativa do golpe que dirá a História?

A pressa e a narrativa do golpe que dirá a História?

Passada a batalha do TCU, e antevendo que as contas de Dilma não terão o julgamento final e definitivo pelo Congresso ainda este ano, a oposição resolveu acelerar a marcha do impeachment com base apenas no parecer do tribunal de contas.  Se o impeachment não sair este ano, dificilmente sairá em 2017. Nem o país aguentaria.  Mais tarde pode ser tarde. Mais tarde Eduardo Cunha pode não estar no cargo para ajudar.  O dilema da oposição é que, queimando etapa, fortalece a percepção do afastamento como golpe, como virada do jogo eleitoral perdido no tapetão de um impeachment cavado como pênalti por certos times.

 

De sua parte, o governo tenta afiar as armas. “Vamos para a guerra do impeachment, que será jurídica, política e nas ruas”, resume o deputa petista Wadih Damous.  Neste momento, a guerra será essencialmente política, e as armas serão os votos no Congresso. Mas com Eduardo Cunha no comando da Câmara, não há reforma ministerial que contente a base.

 

Na terça-feira Cunha deve rejeitar o pedido de abertura de processo de impeachment subscrito por Hélio Bicudo e Reale Junior. Ato contínuo e combinado, as oposições recorrerão ao plenário, precisando de apenas metade mais dos votos dos presentes.  Ainda que perca esta primeira batalha, o governo ainda pode vencer a decisiva, a da autorização do afastamento da presidente para ser julgada pelo Senado.  Nesta é que a oposição precisará dos três quintos dos votos, ou 342. Se o governo tiver 171, barra o processo. Para isso é que o Planalto se prepara agora, tentando harmonizar sua base com verbas e cargos pendentes. Mas enquanto Cunha estiver no cargo, não será fácil. Prova disso ele deu sabotando as sessões em que o governo tentaria manter os vetos às matérias do desatino fiscal que ele mesmo aprovou.

 

Sentindo-se quase com a mão na taça, a oposição, que há dez meses mantém o Brasil dependurado na incerteza política do impeachment, só tem um receio: o de ganhar a batalha política, derrubando Dilma, mas perder a disputa pela narrativa histórica do fato.  Ou, falando mais claramente, não quer ficar na História como articuladora de um golpe.  E nem é toda a oposição, pois uma parte dela está se lixando para o que dirão os livros de História daqui a alguns anos. Mas este receio pega uma parte do PSDB, do PPS e do DEM que preserva raízes democráticas mais fundas.  Um receio que é bem resumido pelo deputado do PPS Raul Jungmann: “não podemos ter a pressa que aniquila o verso. Diferentemente do que houve no impeachment de Collor, no de Dilma haverá disputa pela narrativa do ocorrido”.

 

A contradição que divide a oposição é esta. Precisa acelerar o impeachment certa de que se ele não sair este ano não sairá em 2017. Para isso, não pode esperar que o Congresso referende ou não o parecer do TCU pela rejeição das contas de Dilma. E é temerário, para a narrativa, fazer um impeachment com base apenas na recomendação de um organismo auxiliar que nem integra o sistema de Justiça. Trata-se apenas de um órgão técnico. A narrativa do golpe parlamentar, paraguaio ou não, ganharia força.  Esta seria a batalha das ruas de que fala Damous. Mesmo tendo perdido militância e poder de mobilização, o PT ainda sabe agitar uma ideia, como transformá-la em bandeira.

 

Por isso Aécio Neves apoia o impeachment via Câmara, mas sonha mesmo é com um desfecho pelo TSE, com a impugnação da chapa Dilma-Temer e o chamado a novas eleições. Isso daria muito mais conforto histórico ao neto de Tancredo Neves, o único deputado do antigo PSD.

---
Tereza Cruvinel atua no jornalismo político desde 1980, com passagem por diferentes veículos. Implantou a Empresa Brasil de Comunicação - EBC - e seu principal canal público, a TV Brasil, presidindo-a no período de 2007 a 2011. Atualmente, é comentarista da RedeTV e agora colunista associada ao Brasil 247 Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto

Comentários

Ainda não há comentários nesta notícia. Seja o primeiro!