Eles não têm programa

Foto: Ascom FUP

Eles não têm programa

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) e seus sindicatos filiados convocaram a categoria petroleira para uma greve nacional de advertência de 72 horas.

O absurdo aumento do preço dos combustíveis e as suas consequências - imediatamente uma paralisação de caminhoneiros que coloca em xeque a distribuição de produtos, combustíveis, alimentos etc – constituem um ensaio geral do que está por vir no Brasil, seja na esfera econômica, seja nas esferas social e política. Tais acontecimentos representam derivações necessárias da política neoliberal esposada pelo governo golpista de Temer. A essência de tal política é a contemplação de pouquíssimos interesses, em realidade apenas dos interesses do partido do capital. No caso brasileiro, com o agravante que nesse partido não há lugar para o capital nacional produtivo.

 

Em substituição ao Estado de compromisso que vigorou de 2003 ao golpe de Estado de 2016 - Estado que abarcou em si uma multiplicidade de interesses, inclusive uma miríade de interesses antagônicos, dos quais nenhum deles conquistou hegemonia sobre os demais, o que fez do chefe do Executivo árbitro cuja função era a de mediar tais interesses - o governo Temer tem adotado uma política antinacional – que se expressa na entrega de nossos poços de petróleo, na autorização da venda da Embraer para a Boeing, na privatização da Eletrobrás, na extinção do fundo soberano – e uma política antipopular, com a retirada radical de direitos como na reforma trabalhista ou ainda como na redução acentuada de recursos nas áreas sociais, na saúde e na educação. Uma de suas últimas medidas foi o fechamento da farmácia popular.

 

Essas medidas, atualizações do que foi praticado durante os governos FHC, representam uma ruptura com a via de desenvolvimento inaugurada em 2003 e derrotada – por enquanto – pelo golpe de 2016. Temer, evidentemente, não representa uma continuidade do governo Dilma, mas a sua antítese, a aplicação de um programa político derrotado em quatro eleições.

 

O favorecimento de apenas um polo leva a desorganização econômica, social e também necessariamente política, desorganização que tende ao caos e ao colapso. As já mencionadas medidas, também a PEC da Morte, que limita o gasto governamental por vinte anos, e, positivamente, a ausência de uma política de desenvolvimento prometem um não futuro para o Brasil. Prometem um colapso como o grego, inclusive quanto à capacidade da União de honrar seus compromissos com o funcionalismo público e pensionistas, dificuldades que já se manifestam com amarga clareza em alguns Estados da federação.

 

Não haverá qualquer retomada econômica real sem uma mudança de rumo, sem que o Estado volte a ser protagonista do desenvolvimento. A novidade que os golpistas têm a oferecer é o velho receituário já posto em prática e fracassado nos anos FHC – fracassado quanto à criação de empregos ou quanto à redução da desigualdade social, fracassado quanto à melhora da vida concreta do povo – receituário, aliás, muito adotado nos países latino-americanos – sob o aplauso das potências – antes da crise de 1929.  Isso certamente não terminará bem.

 

Do ponto de vista imediato, essa desorganização não beneficia apenas a esquerda, mas também aos que aparentemente – mas não realmente - representam a novidade, como a candidatura Bolsonaro. Mas apenas a esquerda tem condições de indicar uma saída para o país e, por essa razão, possui muitas possibilidades de vitória em um prazo não tão longo. Somente a esquerda pode propor e viabilizar um projeto nacional de desenvolvimento baseado na industrialização e na ampliação do mercado interno sob a égide do investimento e do planejamento estatal. Somente a esquerda pode evitar a marcha acelerada – na qual nos encontramos - ao abismo.

---
Jorge Roque é formado em Ciências Sociais pela UFMG, onde também concluiu especialização em Ciência Política, e em Direito pelo Centro Universitário Moura Lacerda, atualmente faz mestrado em Direito na USP de Ribeirão Preto Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto

Comentários

Ainda não há comentários nesta notícia. Seja o primeiro!