Florisvaldo de Souza: Contribuição ao debate do PT

Florisvaldo de Souza: Contribuição ao debate do PT

Precisamos de uma forma de organização que amplie e aglutine forças, mude nossa postura e nos envolva na vida das pessoas e nas comunidades

O período atual exige novas formas de organização para um partido como o PT.

 

A superação do nosso atual modelo de funcionamento se dará com a compreensão de que vivemos uma nova realidade, muito diferente daquela em que o Partido deu seus primeiros passos durante os anos 80 e distante daquela em que fizemos oposição aos governos neoliberais que se sucederam após a redemocratização.

 

Por óbvio, também não podemos mais nos comportar como se ainda fossemos governo.

 

É diferente dos anos 80 porque não enfrentamos mais um regime militar. A direita encontrou mecanismos mais sofisticados e discretos de exercer o poder e disputar a opinião pública. Além disso, uma fração mais radicalizada da sociedade perdeu o pudor de sair às ruas para defender o que antes parecia indefensável.

 

É distante dos anos 90 porque agora temos um legado para comparar, um governo para defender e coisas para se arrepender.

 

Durante muito tempo a classe trabalhadora lutou por condições mínimas de sobrevivência, contra a miséria e contra a fome. Hoje esta parcela da sociedade teve acesso ao consumo e a serviços e, com isso, uma nova pauta de reivindicações que passa pela qualidade do investimento dos governos, principalmente, em saúde e educação.

 

Trata-se, portanto, de forjar uma terceira fase na nossa forma de organizar e mobilizar a sociedade que é diferente do período de construção dos sonhos, e que é diferente do período de conquistas e de realização de direitos, mas que traz o ônus da frustação de algumas conquistas e que arrastou consigo uma parte da esperança da militância.

 

Diante deste cenário, a pergunta que devemos responder é: o que o PT precisa fazer agora para entusiasmar sua militância e a sociedade?

 

O primeiro passo é não abrir mão da radicalidade democrática e da participação do conjunto de filiados e filiadas e combater a ideia de que o Partido dos Trabalhadores precisa ser mais estreito e “enxuto”.

 

Pelo contrário, precisamos de uma forma de organização que amplie e aglutine forças, mude nossa postura e nos envolva na vida das pessoas e nas comunidades.

 

O segundo passo é fazer uma transição geracional, necessária para entender as novas demandas da sociedade e principalmente da juventude. A discussão sobre a renovação das nossas direções será inócua se não for acompanhada de um vigoroso rejuvenescimento.

 

Este rejuvenescimento da direção, entretanto, não deve ser um fim em si mesmo. Rejuvenescer a direção deve ser o caminho pelo qual o PT se aproximará dos novos – e efervescentes – movimentos feministas, dos movimentos LGBTs, do novo movimento estudantil e dos secundaristas, dos coletivos de negros e de negras e das novas formas de mobilização da juventude e de suas demandas sociais nas ruas e nas redes.

 

A juventude será a principal vítima da atual ofensiva neoliberal. É a juventude que será vítima da atual reforma da previdência. É a juventude que poderá entrar em um mercado de trabalho cada vez mais precário e com seus direitos suprimidos por um governo usurpador.

 

E é exatamente por isso que o PT precisa se tornar permeável para que essa juventude possa militar e dirigi-lo.

 

O terceiro passo é se manter como alternativa viável de governo. A candidatura do presidente Lula em 2018 deve ser a expressão de uma nova utopia.

 

Para dar conta destas tarefas é preciso alterar nossa estrutura e funcionamento, dando mais capilaridade à atuação do PT e tornando nossas instâncias de direção mais permeáveis aos filiados e filiadas.

 

Se é pouco – e realmente é – que os filiados e filiadas sejam chamados apenas a cada quatro anos para votar na direção ou para participar de campanhas eleitorais, a alternativa não pode ser – em hipótese alguma – um processo de que reduza a participação dos filiados e filiadas na escolha das direções partidárias.

 

Nosso desafio é envolver os nossos filiados e filiadas nas ações cotidianas do partido.

 

É evidente que nosso atual modelo de escolha de direções encontra problemas e desvios que devem ser combatidos e superados sem nunca diminuir a participação da nossa base.

 

O PT deve se estruturar como instituição plural, com organização e propostas construídas coletivamente, que seja identificado com diversos setores da sociedade e com regras respeitadas para que as decisões sejam as mais amplas e democráticas.

 

Devemos ampliar o processo de filiação e garantir aos novos filiados e filiadas espaços de participação e instrumentos de decisão.

 

Ter uma política estruturada de financiamento que atenda a todas as instâncias diminuindo a dependência do fundo partidário. Isto significa readequar o funcionamento do SACE e organizar campanhas permanentes de arrecadação.

 

Ter uma política de formação que saia da esfera dos diretórios e chegue ao conjunto dos filiados e filiadas no seu local de moradia, trabalho e estudo.

 

Criar instrumentos de consulta e decisões através da internet para que os filiados e filiadas além de participar das mobilizações conjunturais, possam contribuir e opinar sobre as decisões do Partido.

 

Organizar e criar instrumentos de financiamento para as macros e micros regiões nos Estados, com direções eleitas pela base.

 

Criar pontos de encontros da militância com atividades de lazer e cultura onde o filiado de forma descontraída e cotidiana possa debater política conjuntural e partidária.

 

Articular os atuais instrumentos de comunicação do PT e da esquerda em torno de um eixo que seja o alicerce de uma rede comunicação que possa fazer o contraponto à mídia monopolizada, que vá inclusive além da internet e se transforme em um jornal impresso de grande circulação.

 

Definir um método de direção que supere o isolamento de cada Secretaria na Executiva Nacional e que possa ser repetido nos estados e nos municípios.

 

A Direção Nacional deverá funcionar sob um esforço amplo de planejamento, que deverá abrir espaço para ouvir a sociedade, os movimentos sociais, a academia e reservando um espaço central neste processo para a nossa base militante, que apontará para o centro de uma atuação coletiva e planejada, que deverá dar conta, no curto prazo, de duas tarefas primordiais: a) organizar o PT e a esquerda e b) eleger Lula em 2018.

 

As ações partidárias derivadas deste processo de planejamento coletivo, plural e unitário, serão conduzidas pela Executiva Nacional de forma ampla, através de constituição de núcleos dentro da CEN.

 

O primeiro deles, um Núcleo Político, composto pela Presidência, as cinco Vices Presidências, os líderes das bancadas na Câmara e no Senado, a Secretaria de Relações Internacionais e a Secretaria Geral.

 

Um Núcleo Organizativo composto pelas Secretarias de Finanças e Planejamento, pela Secretaria de Organização, pela Secretaria de Comunicação e pela Secretaria de Assuntos Institucionais.

 

Um Núcleo de Formação e de Elaboração composto pela Secretaria Nacional de Formação Política, pela Secretaria Nacional de Desenvolvimento Econômico e pela Secretária Nacional de Coordenação Regional; que funcionará de forma articulada com a Fundação Perseu Abramo e a Escola Nacional de Formação.

 

E, finalmente, um núcleo de Mobilização composto pelas Secretaria Nacional de Mobilização, Secretaria de Movimentos Populares, pela Juventude do PT e pelos Setoriais.

 

Funcionando em Núcleos a Executiva Nacional reforçará seu caráter colegiado o que deverá se refletir em decisões e encaminhamentos mais coletivos.

---
Florisvaldo Raimundo de Souza, secretário Nacional de Organização do PT Seja Companheiro, faça sua doação ao PT de Ribeirão Preto

Comentários (1)

César fonseca

Fundamental é imprimir ritmo efetivo e dinâmico das ações interativas para colocar em marcha a dialética geral de mudança hegeliana: tudo muda, só não muda a lei do movimento segundo a qual tudo muda. Caso contrário, sedimentam-se espíritos corporativos impermeáveis, individualistas, conservadores, temerosos do movimento acelerado de participação convergente à lógica genuinamente socialista.